STARQ divulga os resultados do inquérito sobre o Covid-19 e o impacto na arqueologia

O Sindicato dos Trabalhadores de Arqueologia (STARQ) promoveu, em finais de Março, um inquérito para avaliar o impacto da crise pandémica da COVID-19 no trabalho arqueológico em Portugal.

Através deste questionário a STARQ pretendeu conhecer a situação dos trabalhadores da área como arqueólogos, técnicos, antropólogos e profissionais de outras arqueociências, conservadores-restauradores, trabalhadores indiferenciados e outros.

O inquérito, que foi respondido até o dia 31 de Março de 2020 por um total de 196 trabalhadores de arqueologia, também mostra que 78% dos trabalhadores da área são precários.

O relatório final sobre o inquérito pode ser lido aqui.